O tempo está a favor do seu cérebro
27 MAR
Categoria Notícias

O tempo está a favor do seu cérebro

A expectativa de vida aumentou significativamente. Há apenas um século a média nos países desenvolvidos era de 47 anos e agora está em 78; dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados no mês passado mostram que em três décadas o tempo médio de vida no país aumentou 11 anos. Por conta dessa mudança, a meia-idade tem sido reconhecida como um período extremamente produtivo. E, ao contrário do que por muito tempo os cientistas (e as pessoas em geral) acreditaram, o envelhecimento não é, necessariamente, sinônimo de decadência.

De fato algumas funções, como a área da memória responsável por recordar nomes, entram em declínio. Mas, ao mesmo tempo, a habilidade de formar juízos mais exatos sobre as pessoas e situações relacionadas a finanças, por exemplo, fica mais aguçada.

Descobertas recentes mostram que o cérebro da meia-idade, em vez de desistir e ceder, adapta-se. À medida que envelhecemos, ele se torna mais ativo e áreas maiores são alocadas para solucionar problemas. Nesse momento, as pessoas que mais exercitam as aptidões cognitivas levam vantagem: são elas que melhor conseguem “reaprender” a usar suas habilidades.

Em alguns casos, como constataram pesquisadores da Universidade Duke, as pessoas maduras começam a usar de forma mais frequente os dois hemisférios cerebrais, em vez de “privilegiar” um deles – um recurso chamado bilateralização. Especialmente aqueles que recrutam a força do poderoso córtex cerebral frontal desenvolvem o que os cientistas chamam de “reserva cognitiva”, uma proteção contra os efeitos do envelhecimento.

Esse recurso fornece os mais velhos, por exemplo, a chegar mais depressa ao ponto central de uma discussão do que os jovens, ou seja: captar a essência, avaliar a situação, sem agir de maneira precipitada. Essa reserva cerebral também pode afastar os primeiros sintomas externos de doenças como Alzheimer. E há fortes indícios de que algo simples como a educação – ou o trabalho – seria a chave para construir essa proteção cerebral para a vida inteira.

As informações são da Revista Mente e Cérebro.

 

 

 

 

Matérias Relacionadas
Existe uma formula para ser feliz?
29 MAR
Existe uma formula para ser feliz?

Para pesquisadores norte-americanos das universidades de Michigan e Pensilvânia a resposta é...

+ leia mais
Galeria do Sorriso
18 SET
Galeria do Sorriso

Dois trabalhos realizados pelo Dr. Joel dos Santos foram classificados para participar da...

+ leia mais
Aos 95 anos Artin Elmayan revela o segredo da longevidade
27 NOV
Aos 95 anos Artin Elmayan revela o segredo da longevidade

"Enquanto o meu corpo e os meus pés aguentarem, não vou parar". A empolgação do argentino...

+ leia mais